Últimas Notícias

“No Paraná, hoje, a nossa vacina é a testagem”, afirma secretário Beto Preto"

 


Um dos pontos fortes da estratégia de enfrentamento da Covid-19 no Paraná é capacidade ampla para a testagem. A medida garantiu, por exemplo, um aprofundamento no trabalho de bloqueio e acompanhamento dos casos registrados nos municípios.

A vigilância epidemiológica fortificada com o aumento da capacidade de processamento dos testes pelo Laboratório Central do Estado (Lacen), que iniciou a pandemia com a capacidade operacional de 120 testes ao dia, passando para mais de 600, trabalhando 24 horas, foi um dos pontos importantes.

No segundo plano, a parceria firmada entre o Instituto de Biologia Molecular do Paraná (IBMP), Fundação Oswaldo Cruz, Governo do Estado - por meio do Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar) -, incrementou e fortaleceu ainda mais a política de testagem incentivada pelo governo do Paraná por meio da Sesa.

A utilização da frota de aeronaves do Governo do Estado, por exemplo, permitiu o rápido deslocamento do material coletado nos municípios e processamento dos exames em Curitiba.

O Sindicato das Empresas de Transporte Rodoviário Intermunicipal de Passageiros do Paraná (Rodopar) também auxiliou nesta ação. Diversos exames foram despachados nos ônibus das linhas que atuam em todas as regiões do Estado.

Apesar de os protocolos de tratamento terem sido aperfeiçoados durante o período, a doença ainda evolui ao óbito em muitos casos.

Neste período, a doença alcançou todos os municípios paranaenses deixando mais de 5,7 mil pessoas mortas em decorrência da infecção. São mais de 240 mil diagnósticos positivos entre os 11 milhões de moradores do Paraná, de acordo com o monitoramento da Sesa até o dia 17 de novembro.

Os números refletem o desafio imenso que os 399 municípios paranaenses têm enfrentado. Como ainda não há vacina para a Covid-19, todos os cuidados de distanciamento e higienização devem ser redobrados para evitar a transmissão do vírus.

Para o secretário de Estado da Saúde, uma das medidas de extrema importância é a testagem. “A nossa vacina hoje é o testagem, é o exame RT-PCR, o teste que identifica que a pessoa está infectada e que deve ficar isolada”, disse o secretário Beto Preto.

Entre tantas parcerias celebradas no período da pandemia, uma de grande valor foi com o IBMP. A instituição ligada à Fiocruz desenvolve pesquisa e tecnologias para solucionar desafios na área da saúde e já realizou mais de 500 mil testes pelo método RT-PCR para identificar o novo coronarívus.

O diretor-geral da Sesa, Nestor Werner Junior, afirma que é imensurável o valor do IBMP ao Paraná. “Especialmente na realização de testes para o novo coronavírus, o IBMP teve um peso imenso. Tivemos a segurança de ampliar a testagem com a contrapartida de um resultado fiel, ágil e com processos claros e integrados aos nossos”.

MAIS TESTES – Embora os laboratórios tenham a capacidade instalada para processar mais de 5 mil amostras por dia, a demanda reduziu. “Temos nosso laboratório Lacen, o IBMP que é parceiro, e outros laboratórios que atendem também SUS localizados em outras regiões do Estado. Precisamos que os municípios se organizem e façam a coleta para mais exames RT-PCR para identificação da doença. Essa busca de casos na ponta, lá no primeiro atendimento é uma das medidas para reduzir o dano da doença”, ressaltou Beto Preto.

Os serviços de atenção primária, as unidades de saúde localizadas nos municípios podem fazer a coleta de amostras para enviar para laboratórios vinculados ao SUS. Para isso, o gestor público da saúde municipal deve orientar as suas equipes para retomar a atenção quanto aos sintomas e também para pessoas que tem histórico de contato com caso confirmado e estão assintomáticas.

“Temos capacidade de processamento, precisamos de mais amostras para identificar de forma ágil para tomar decisões que possam reduzir a transmissão do vírus no Paraná”, finaliza o secretário.


Fonte: SESA-PR















Postar um comentário

0 Comentários