Últimas Notícias

Coamo tem receitas globais de R$ 14,80 bilhões e sobras somam R$ 800,38 milhões

A Coamo Agroindustrial Cooperativa realizou na tarde desta sexta-feira (15), em Campo Mourão (Centro-Oeste do Paraná), a Assembleia Geral Ordinária (AGO), onde foi apresentado o balanço do Exercício 2018. As receitas globais da cooperativa em 2018 totalizaram R$ 14,80 bilhões, um crescimento de 33,6% em relação ao ano anterior. A sobra líquida atingiu o montante de R$ 800,38 milhões. 

“É importante ressaltar que as condições de mercado propiciaram um bom momento para os associados comercializarem a produção, refletindo no aumento das receitas da cooperativa. Os saldos a fixar de safras passadas foram reduzidos trazendo os estoques de passagem para níveis normais”, destaca o diretor-presidente da Coamo, José Aroldo Gallassini. Ele cita que 2018 foi o melhor ano da Coamo em relação as receitas globais. “Os bons resultados alcançados foram possíveis, graças a participação dos associados no abastecimento dos insumos e na entrega da produção, e ao trabalho dedicado do quadro de funcionários”, ressalta. A Coamo conta com mais de 28,6 mil associados e 7,8 mil funcionários.

A soja foi o destaque do mercado em 2018, com preços atraentes para os produtores, que aproveitaram as altas e comercializaram bons volumes tanto da safra atual como de safras anteriores. Gallassini recorda que a comercialização ganhou ritmo forte a partir de fevereiro com as altas em Chicago devido a seca na Argentina e ganhou ainda mais fôlego a partir de março, com altas substanciais do dólar, de R$ 3,20 para R$ 4,20 em seis meses. O milho e o trigo também tiveram preços atraentes, como consequência do movimento do dólar. Porém, a seca comprometeu a produtividade de ambas as culturas e as chuvas atrapalharam a qualidade do trigo.

Para o recebimento da safra 2017/2018, uma das maiores safras já recebidas pela Coamo, a qual só não foi maior devido ao milho segunda safra ter sido plantado com atraso e ter sofrido perdas com a seca no desenvolvimento da cultura, foram utilizadas 112 unidades de recebimento, localizadas estrategicamente no Paraná, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul.

A capacidade estática de armazenagem passou para 5,45 milhões de toneladas a granel e 956,50 mil toneladas de ensacados, totalizando 6,41 milhões de toneladas. Com esta estrutura a Coamo recebeu 7,20 milhões de toneladas de produtos, correspondente a 3,2% da produção brasileira de grãos.

De acordo com Gallassini, o total dos investimentos em 2018 somaram R$ 671,47 milhões, um crescimento de 71,4% em relação ao ano anterior. “Destacamos valores investidos nas obras das novas indústrias de processamento de soja e refinaria de óleo de soja em Dourados (MS), cujo cronograma está dentro da normalidade e com previsão de entrar em funcionamento no segundo semestre de 2019”, assinala. 

Em 2018, foram industrializados 1,50 milhão de toneladas de soja, 196,08 mil toneladas de trigo, 3,73 mil toneladas de café beneficiado e 6,50 mil toneladas de algodão em pluma, no Parque Industrial da Coamo.  

Os Alimentos Coamo produzidos no Parque Industrial com as marcas Coamo, Primê, Anniela, Sollus e Dualis, são compostos por margarinas, cafés, gorduras vegetais hidrogenadas, óleo de soja refinado, farinhas de trigo especiais e misturas para pães e bolos, em 2018 este setor faturou R$ 971,68 milhões. 

Em 2018 a Coamo atingiu o recorde de volumes exportados num total de 4,58 milhões de toneladas de produtos, atingindo também o faturamento recorde de US$ 1,80 bilhão, posicionando-nos como a maior exportadora do Estado do Paraná e uma das maiores do Brasil. Os produtos exportados atendem os requisitos de qualidade exigidos pelas certificações, sendo reconhecida como fornecedor que oferece matéria-prima com qualidade para a produção de um alimento seguro para consumo. Além destes volumes exportados, foram comercializadas 762,62 mil toneladas de produtos destinados à exportação, no montante de US$ 275,44 milhões.

Lançamento do livro

Durante a Assembleia Geral Ordinária, foi lançado um livro com a biografia do engenheiro agrônomo, José Aroldo Gallassini, idealizador e diretor-presidente da Coamo. O propósito de partilhar um pouco da sua experiência, empreendedorismo e cooperativismo mostrando o que foi realizado e deu certo, o que alcança o sucesso e a aprendizagem  nesses anos todos, motivou Gallassini a ter sua biografia escrita por meio do livro José Aroldo Gallassini – “Uma Visão Compartilhada”,  a inspiradora trajetória do presidente da maior cooperativa agrícola da América Latina”.

Na obra, Gallassini conta sua trajetória empresarial e também sua origem.
Relata sua opção de vida pela agricultura e cooperativismo, e o compromisso com os associados da Coamo. Ratifica a importância dos valores e princípios, mostra a essência do cooperativismo e as bases para o sucesso de uma cooperativa. O presidente da Coamo apresenta exemplos e dicas valiosas que podem ser aplicados em nossas vidas pessoal e profissional, e que o pensar de forma coletiva fortalece e quanto mais pessoas estiverem envolvidas com um mesmo ideal, mais fácil será alcançá-lo.

Postar um comentário

0 Comentários