Últimas Notícias

O que a maior cooperativa do Brasil espera de 2018

Presidente da Coamo, José Aroldo Galassini prevê repetição do bom desempenho do agronegócio e estabilidade de preços agrícolas

Em 2017, a agropecuária salvou a lavoura brasileira. Com crescimento estimado entre 9% e 11% pela CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária), contra menos de 1% do total nacional, o setor deve ser responsável por 23,5% do PIB nacional, em um ano que a balança comercial teve superávit de US$ 67 bilhões. E no que depender do campo, os bons resultados devem se repetir.

“Do ponto de vista econômico, o agronegócio foi o melhor setor do país, na comparação com indústria, serviços e comércio. Tivemos uma boa participação no PIB, e isso deve se repetir”, opina José Aroldo Galassini, presidente da Coamo, maior cooperativa do país e da América Latina.

Como amostra disso, ele cita um exemplo paranaense: “O Porto de Paranaguá teve a maior exportação neste ano [que passou]”. O porto bateu seu próprio recorde e movimentou 50 milhões de toneladas em cargas, sendo 70% de origem agrícola, operando mais de 20% das exportações da agricultura brasileira, segundo a Appa - Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina.

Ameaça e estabilidade

Para o executivo, há uma ameaça para o ano novo: a perspectiva climática, uma vez que o ano novo chegou com perspectivas de La Niña, fenômeno que provoca a redução de chuvas e pode provocar secas. Contudo, a visão da Coamo é de estabilidade de preços agrícolas.

“Os preços caíram muito e pode-se dizer que no mercado internacional há um excedente nos estoques mundiais de soja, trigo e milho. Não vai faltar produto, então ninguém fica especulando. Se tiver uma frustração de safra futura isso pode mudar, mas no momento acho que tendência é de estabilidade”, afirma Galassini.

O presidente da Coamo lembra alguns dos valores da agropecuária. A soja em 2016 teve preços de até R$ 85 por saca, caindo para R$ 55 durante 2017 e fechando o ano próximo a R$ 65. “O milho de R$ 46 chegou a R$ 16,5 e agora está em R$ 23”, recorda.

Com essa desvalorização do milho, Galassini destaca que os produtores ainda esperam para realizar vendas por melhores preços em 2018. “O cooperado deixou de vender, mas não atrasou as contas”, destaca. No caso da soja, a alta produtividade brasileira, com safra recorde, compensam a desvalorização no mercado internacional.

Perspectiva política

Se por um lado a direção da Coamo espera um bom ano, a expectativa é de um ‘empurrão’ no cenário político. Ele espera a punição de envolvidos em escândalos. “Essa corrupção deve parar. Precisamos fazer uma boa escolha para um novo governo”, destaca, referindo-se às eleições presidenciais de outubro.


Quanto às reformas econômicas, Galassini opina: “Algumas modificações que devem haver já estão acontecendo, como a trabalhista. Agora a da Previdência ficou para fevereiro, mas talvez tenha que acontecer”. Ele considera que as modificações surgiram efeitos de melhoria econômica, como no PIB e nas exportações. “Temos que ser otimistas”, finaliza.

FONTE: Gazeta do Povo via CRN1


Postar um comentário

0 Comentários